20 de jun de 2008

Todos os homens são judeus

Todos os homens são judeus


Para Bernard Malamud

Ouve ó Israel,
Eu sou judeu,
Minha mãe não, mas eu sou!

Saudoso do deus inexistente,
Vago estrangeiro de quarentena no deserto,
Em busca da Terra em que mana leite e mel,
Esperançoso do fim da interminável guerra dos dementes
E do encontro com a razão prometida no tempo das Luzes.

Persigo insistente a verdade oculta,
O justo, o belo, Talião, Nobel.
Por isso muitos me olham atrevessado.
Zombando das minhas feições tão germânicas quanto etíopes,
Do gordo vestindo Armani e com charuto cubano na mão,
Do famélico trajando listas e estrela num campo de concentração.

Ah! o rancor e a inveja...

É necessário rir. O riso é já vitória.
Rio de mim, rio do outro,
Em homenagem à grande comédia
Vida!
Riso que se segue ao choro,
Às vestes rasgadas, às cinzas lançadas às costas em sinal de luto,
Pelas mentes e pelos corpos arremessados nas covas coletivas.

Por que tanta inveja e tanto rancor?

Tolice! Sua mãe não é judia
Mas você é judeu, como eu.
Como todos os homens
Vagando pelo deserto
Ansiando por Israel.


20.6.2008

c cardoso

11 de jun de 2008

Eu sou judeu

"All men are jews, though few men know it" Bernard Malamud

5 de jun de 2008

metade

Metade
Oswaldo Montenegro

E que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio.

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
E a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
E que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso
Mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste
E que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é a platéia
A outra metade é a canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.